Entrelaçando o clássico “Medeia” de Eurípedes e a escravidão no Brasil, o solo tem a direção de Juliana Monteiro  e dramaturgia de Rudinei Borges dos Santos.

O espetáculo, um poema cênico no qual Medea, uma mulher negra escravizada na Vila Rica de Nossa Senhora de Pilar de Ouro Preto, nas Minas Gerais do século XVIII, narra o sacrifício de seu filho Age, é uma releitura do clássico de Eurípedes com a atuação de Kenan Bernardes.

A mina em Ouro Preto (MG), que dá nome ao espetáculo, hoje é uma atração turística que carrega a cicatriz da escravidão que perdurou no Brasil por mais de três séculos e trouxe consequências para diversas camadas sociais do país, sobretudo para a população negra.

Muitos escravizados trabalharam nas minas na extração de minérios em Minas Gerais, um dos estados com maior concentração de negros no século XVIII. As condições de trabalho eram extremamente precárias e provocaram a morte de incontáveis vidas naquele período.

Serviço

Local: Teatro Arthur Azevedo – Av. Paes de Barros, 955 – Mooca – São Paulo.

Temporada: Até 17/2. Sexta e sábado, 21h. Domingo, 19h.

Ingressos: Grátis.

Classificação: 12 anos.

Informações: (11) 2605-8007.  

Compartilhe!