A diretora, dramaturga e atriz Carolina Bianchi partiu de dois pontos cruciais para a criação de “O Tremor Magnífico”: o primeiro são as noções de passado e tempo que estão alocadas nos nossos corpos. Outro ponto que orientou a pesquisa é como a História não dá conta das mulheres consideradas violentas. Com estreia marcada para o dia 4 de março, quarta-feira, 20h, o espetáculo faz curta temporada no Teatro de Contêiner até 26 de março.

O Tremor Magnífico é uma tentativa de borrar alguns sentidos da linearidade histórica, misturando fatos ficcionais e fatos reais. Invocando monstros, rainhas, fantasmas,  condessas sanguinárias e poetas mortas, que se atravessam em um mashup histórico, violento e molhado. “Como lidamos com o acúmulo de informações de Eras, estilhaços de passado em nosso corpo e em nossa subjetividade?”, questiona-se Carolina. 

A artista argumenta que parece uma contradição a mulher ser cruel, porque a narrativa histórica hegemônica é patriarcal e altamente perigosa para as mulheres. “Deveríamos ser dóceis, senão somos aniquiladas. Tudo que é considerado monstruoso na mulher é aquilo que o homem não consegue dominar”, completa a diretora.

Fotos: Mayra Azzi

Ficha Técnica

Direção, Dramaturgia e Concepção: Carolina Bianchi.

Elenco e colaboração na criação: Danielli Mendes, Joana Ferraz, Larissa Ballarotti, Chico Lima, José Artur Campos, Marina Matheus, Tomás Decina e Carolina Bianchi.

Serviço

Local: Teatro de Contêiner de São Paulo – Rua dos Gusmões, 43 – Santa Ifigênia – São Paulo.

Temporada: 4 a 26/3. Quartas e quintas, 20h. Haverá sessão extra no dia 12 de março, 23h.

Ingressos: R$ 40,00 (inteira) e R$ 20,00 (meia-entrada). 

Classificação: 18 anos

 

 

Compartilhe!