Teatro de Contêiner Mungunzá lança plataforma digital

Teatro de Contêiner Mungunzá lança plataforma digital

Com as atividades artísticas suspensas devido a pandemia do novo coronavírus, o Teatro de Contêiner Mungunzá, que se mantém aberto para atividades relacionadas aos direitos humanos, se mobilizou para seguir atuando artisticamente e criou um novo projeto: a Mungunzá Digital. A programação eclética abrigará uma diversidade de conteúdos artísticos, culturais e sociais, pesquisas e projetos de variados artistas, criando um vasto acervo que abre espaço para conversas e aprofundamento nas obras e conteúdos dispostos.

Para que todo conteúdo seja disponibilizado de forma mais rápida, o Teatro de Contêiner Mungunzá passa a contar com perfil próprio nas redes sociais. O @teatrodeconteiner foi criado especialmente para a divulgação da plataforma.

No dia 25 de maio, segunda-feira, às 19h, ao vivo, por uma plataforma live stream onde os artistas receberão o público numa sala digital para uma conversa sobre a plataforma e os novos caminhos pensados para esse momento de quarentena com espaços culturais fechados. A programação tem início com a Mostra Aquilombamento Digital com curadoria de Filipe Ramos, integrante do Teatro de Contêiner Mungunzá, que irá pensar, discutir, fomentar e conhecer as produções negras criando um espaço de compartilhamento e visibilidade, que articule diferentes formas de pensamento e produções criativas negras.

Na área de dramaturgia, a mostra contará com depoimentos de Jhonny Salaberg, dramaturgo dos espetáculos Buraquinhos ou o Vento é Inimigo do Picumã e Mato Cheio e Luh Maza, autora de mais de dez 10 peças encenadas no Rio, São Paulo e Portugal, como Três t3mpos, Restos, A memória dos meninos e Carne Viva. Já o ator e diretor Ícaro Rodrigues, do espetáculo Quando eu morrer vou contar tudo a Deus fala sobre direção e encenação. Jé Oliveira, diretor, ator e idealizador dos projetos Farinha com Açúcar e Gota D’água Preta fala sobre música em cena e Lilyan Teles, atriz e palhaça idealizadora do coletivo Circo di SóLadies aborda o tema humor e palhaçaria.

A cada mês uma nova curadoria será lançada na plataforma digital. Depois da Mostra Aquilombamento Digital, será a vez de uma mostra com artistas da Bahia.

 

Programação online e apoio entre artistas

O conteúdo da plataforma já conta com espetáculos filmados da Cia Mungunzá de Teatro: Epidemia Prata, Poema Suspenso para uma Cidade em Queda, Luis Antonio – Gabriela, Por que a Criança Cozinha na Polenta? e Era uma Era; da Cia do Tijolo: Concerto de Ispinho e Fulô, O Avesso do Claustro, Cantata para um Bastidor de Utopias e Ledores do Breu; do Grupo XIX de Teatro: Hysteria e Hygiene, e do Grupo Magiluth: Luiz Lua Gonzaga, Viúva, Porém Honesta e O Ano que Sonhamos Perigosamente, além de trilhas sonoras, shows e filmes de Evaldo Mocarzel.

A ideia é que outros artistas integrem a plataforma e assim criar um acervo de conteúdos digitais de várias partes do mundo. Para isso, estará disponível no site teatrodeconteiner.com.br um formulário para inscrição de propostas, que pretende obter, além de aspectos técnicos, informações sobre as necessidades e desafios do artista durante o enfrentamento da pandemia.

 

Serviço

Mostra Aquilombamento Digital: 25/5. Segunda, 19h.

Site: teatrodeconteiner.com.br

Instagram: @teatrodeconteiner

Facebook: @ciamungunzadeteatro

 

Sem comentários

Insira um Comentário