O espetáculo “Black Brecht e se Brecht Fosse Negro”, com direção de Eugênio Lima e dramaturgia de Dione Carlos, estreia no dia 18 de abril no Sesc Pompeia. Livremente inspirada na peça O Julgamento de Luculus, de Bertold Brecht, a montagem cumpre temporada até 5 de maio.

Perante o Supremo Tribunal do Reino das Sombras apresenta-se Luculus Brasilis, o general civilizador, que precisa prestar contas da sua existência na terra para saber se é digno de adentrar no Reino dos Bem-Aventurados. Sob a presidência do juiz dos Mortos, cinco jurados participam do julgamento: um professor, uma peixeira, um coveiro, uma ama de leite e um não-nascido.

Estão sentados em cadeiras altas, sem mãos para segurar nem bocas para comer, e os olhos há muito apagados. Incorruptíveis. A partir deste enredo a trama da peça foi sendo construída, com início durante a ocupação do coletivo Legítima Defesa, no próprio Sesc Pompéia, em novembro de 2017.

Ficha técnica

Direção: Eugênio Lima.

Dramaturgia: Dione Carlos.

Elenco: Eugênio Lima, Walter Balthazar, Luz Ribeiro, Jhonas Araújo, Palomaris Mathias, Tatiana Rodrigues Ribeiro, Fernando Lufer, Luiz Felipe Lucas, Luan Charles e Marcial Mancome. Ator Convidado: Gilberto Costa.

Serviço

Local: Sesc Pompeia – Rua Clélia, 93 – Pompeia – São Paulo.

Temporada: 18/4 a 5/5. Quinta a sábado, 21h. Domingo, 18h.

No dia 19/4, sexta-feira (feriado) não haverá sessão. No dia 1º/5, quarta-feira (feriado), haverá sessão extra às 18h.

Ingressos: R$ 25,00 (inteira), R$ 12,50 (maiores de 60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino) e R$ 7,50 (credencial plena/trabalhador no comércio e serviços matriculado no Sesc e dependentes).

Classificação: 18 anos.

Compartilhe!