As peças de destaque no espaço de Hugo França na 15ª edição da SP-Arte reúnem muitos anos de vida, outros tantos de esquecimento nas florestas, e uma segunda chance de longevidade, possibilitada pelo seu conhecido trabalho de trazer a madeira de volta ao convívio das pessoas, com seu papel ressignificado.

Foi a partir de uma busca por raízes de pequi-vinagreiro, matéria-prima já em extinção e presente na maior parte de suas criações, que Hugo França e sua equipe encontraram, ao acaso, uma raiz de pau-brasil. Escondida no solo arenoso de uma vegetação de Muçununga, a rara madeira, símbolo da primeira prática comercial do Brasil-Colônia, ganhou nova vida em forma de escultura, tendo seu momento de reestreia escolhido a dedo: o maior evento de arte e design da América Latina.

Ao lado da escultura, outras duas peças se destacam no espaço do Atelier Hugo França, feitas a partir de uma única canoa de pequi-vinagreiro, produzida entre 100 e 150 anos atrás, calcula o designer. Encontrada na roça, na casa de uma família Pataxó, de tão velha, já não era mais usada para navegar, mas sim para guardar aipim na farinheira da família.

Sobre a SP – Arte

A SP – Arte – Festival Internacional de Arte de São Paulo – se estabelece como dinâmica plataforma de intercâmbio cultural e artístico entre curadores, colecionadores, artistas, renomadas galerias, obras e admiradores das artes. Nos dias de evento, a arte e o design ocupam lugar central em debates e criações, que se estendem por toda cidade de São Paulo.

 

Serviço

Local: Pavilhão da BienalParque Ibirapuera, portão 3 – Avenida Pedro Álvares Cabral, s/n – São Paulo.

Visitação: 4 a 7/4. Quinta a sábado, 13h às 21h. Domingo, 11h às 19h.

Ingressos: R$50,00 (inteira). R$ 20,00 (Meia-promocional para estudantes, portadores de deficiência e idosos com mais de sessenta anos [necessária a apresentação de documento]. O Vale-Cultura poderá ser utilizado para o abatimento de 50% do valor do ingresso. Crianças de até dez anos não pagam entrada).

 

Compartilhe!