O Portal da Arte Brasileira

Japan House apresenta individual de Yuko Mohri até 14 de novembro

0 13

A Japan House São Paulo apresenta, até 14 de novembro, exposição individual inédita da artista visual Yuko Mohri, sob o nome “Parade – um pingo pingando, uma conta, um conto”.

As delicadas, porém potentes, instalações da artista japonesa apresentam ideias como transitoriedade e impermanência, conceitos muito presentes na cultura nipônica, criando ecossistemas compostos por esculturas cinéticas e sonoras. Esta exposição integra a rede de colaborações da 34ª Bienal de São Paulo – Faz escuro mas eu canto, que acontece a partir de 4 de setembro.

Tendo como ponto de partida duas de suas principais obras: “Parade” e “Moré Moré”, “Parade – um pingo pingando, uma conta, um”, instalação criada especialmente para a Japan House São Paulo exalta a filosofia japonesa do “you no bi”, ressignificando objetos e utensílios comuns em suas obras, ressaltando o belo no ordinário. Do filósofo japonês Soetsu Yanagi (1889-1961), o conceito “you no bi” valoriza a “beleza dos objetos cotidianos”.

Post Patrocinado

O delicado equilíbrio presente nas obras da jovem artista, que hoje leciona na Universidade de Artes de Tóquio, é fruto de anos de pesquisa em colaboração com profissionais de diversas áreas. “Parade” consiste em uma máquina desenvolvida pela artista com ajuda de engenheiros, baseada em uma placa de prototipagem eletrônica de código aberto que lê os desenhos de uma toalha de mesa estampada com frutas coloridas. As imagens são traduzidas em correntes elétricas que percorrem diversos fios, provocando reações inesperadas como uma luz que liga e desliga, espanadores que pulam no chão, um acordeão que parece ganhar vida própria. Os diversos objetos que compõem o trabalho são fruto das coletas de Yuko ao redor do mundo. 

Ainda dentro das questões envolvendo a impermanência e a transitoriedade, temas recorrentes na trajetória da artista, a obra incorpora elementos da série “Moré Moré”, na qual Yuko causa vazamentos propositalmente para, então, tentar obstruí-los e fazer com que a água circule novamente pelo sistema danificado. A ideia surgiu a partir dos registros fotográficos que a artista fez dos frequentes vazamentos de água no metrô de Tóquio, em 2009. As equipes das estações atingidas usaram uma variedade de recipientes incluindo garrafas, baldes, guarda-chuvas e tubos para conter o fluxo. A observação deste acontecimento, inspirou  Yuko a criar suas próprias esculturas, que se tornaram cada vez mais elaboradas ao longo dos anos.

Como uma homenagem à composição de Tom Jobim, “Parade – um pingo pingando, uma conta, um conto” é uma releitura da artista de sua própria obra, uma versão tropicalizada feita a partir da relação estabelecida por ela entre os objetos de sua instalação e a letra da famosa canção.

Foto: Kenshu Shintsubo.

Serviço

Local: Japan House – Av. Paulista, 52 – São Paulo.

Visitação: Até 14/11. Terças a sextas, 10h às 17h. Sábados, domingos e feriados, 9h às 18h.

Ingressos: Grátis.

Link para agendamento: https://agendamento.japanhousesp.com.br/.

você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

X