O Portal da Arte Brasileira

Grupo Tablado de Arruar promove debates e leituras de textos dramáticos

0 15

O grupo Tablado de Arruar, criado em 2001, sempre se debruçou em assuntos e pesquisas extensas que geraram trabalhos autorais profundamente ligados à realidade política brasileira. Para dar continuidade à pesquisa que vem desde 2011 abordando assuntos diretamente políticos e que resultaram em obras polêmicas como “Mateus, 10 “e a “Trilogia Abnegação”, com textos de Alexandre Dal Farra, o grupo completa duas décadas de fundação com o projeto “Verdade”.

O foco é a atual militarização do poder em curso no país. A companhia vai tratar de questões políticas tendo como objeto de estudo as estratégias contemporâneas utilizadas pelos militares brasileiros para a ocupação do poder no Brasil, cuja gênese remete à Lei da Anistia (1979) e à Comissão da Verdade (2011-14).

A largada dessa programação é um Ciclo de Debates on-line, de 20 de julho a 13 de agosto, chamado “Parece guerra, porque é guerra, só não é a guerra que parece ser – Militares e Guerra Híbrida no Brasil atual”. Entre os nomes confirmados estão o político José Genoíno, o coronel da reserva Marcelo Pimentel Jorge, os juristas e membros da Comissão Nacional da Verdade Pedro Dallari e a procuradora Eugênia Augusta Gonzaga Fávero, os jornalistas Bruno Paes Manso e Chico Otávio, o cientista político João Roberto Martins e o filósofo Marildo Menegat.

Post Patrocinado

A mesma programação contém, além dos debates, o Ciclo de Leituras com textos dramáticos e inéditos das peças “Villa” e “Discurso”, de Guillermo Calderón (Chile), “Coisas Acontecem”, de David Hare (Inglaterra), além das transcrições dos depoimentos do general Álvaro Pinheiro e do coronel Paulo Malhães à Comissão Nacional da Verdade. A equipe de atores e atrizes à frente dessa leitura será composta por Alexandra Tavares, André Capuano, Clayton Mariano, Gabriela Elias, Lígia Oliveira, dirigidos por Alexandre Dal Farra.

O projeto também prevê ainda, de setembro de 2021 até fevereiro de 2022, cinco ações artísticas que terão como foco a busca por olhar criticamente não só os militares, mas também o próprio campo da esquerda, que parece insistir em não enxergar a grandeza do problema atual, cuja face mais óbvia é o presidente, mas que está disseminado por praticamente todas as instâncias centrais de poder no país.

Confira a programação:

A Comissão Nacional da Verdade e seus desdobramentos. com Eugênia Gonzaga e Pedro Dallari. Data: 27/7. Terça, 20h.

Milícias e militares no Brasil atual. Com Bruno Manso e Chico Otávio. Data: 3/8. Terça, 20h.

Militares na política. Com Coronel Marcelo Pimentel e João Roberto Martins. Data: 10/8. Terça, 20h.

A esquerda brasileira e o alto comando. Com José Genoino. Data: 13/8. Sexta, 20h.

Leituras dramatizadas:

Fala do general Álvaro Pinheiro na CNV. Data: 22/7. Quinta, 20h.

Peças “Villa” e “Discurso”. Data: 29/7. Quinta, 20h.

Depoimento de Paulo Malhães à CNV. Data: 5/8. Quinta, 20h.

Trechos de “Stuff Happens” e “As Nações Unidas”. Data: 12/8. Quinta, 20h.

Serviço

Transmissão on-line.

Datas: 20/7 a 13/8.

Ingressos: Grátis.

YouTube: Canal Tablado de Arruar.

você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

AVISO!

Em virtude da pandemia de Covid-19, alguns eventos foram cancelados ou sofreram alterações. Centros Culturais ou espaços de exposição também fecharam.

Consulte sempre antes de se direcionar a um evento presencial.

X