Galeria Berenice Arvani traz panorama da carreira de Kazmer Fejer e Lothar Charoux

Um grupo que marcou a história das artes visuais no Brasil teve como dois de seus protagonistas o húngaro Kazmer Fejer e o austríaco Lothar Charoux. Os europeus, que chegaram ao Brasil no contexto pós-guerra e fizeram do país terreno fértil para suas produções, têm uma exposição dedicada na Galeria Berenice Arvani até 27 de novembro. A mostra Diálogo Concreto, com curadoria de João Spinelli, revela o concretismo e o cinetismo como parte do legado dos dois artistas.

Pautados pelo construtivismo russo e pelas vanguardas históricas da primeira metade do século XX, inspiraram-se também nos princípios da Gestalt e da Escola Bauhaus – que serviram como substrato não apenas para a produção de Fejer e Charoux, mas também para o Brasil, que na época vivia uma fase de transformação.

Juntos, foram selecionados para a I Bienal de Arte de São Paulo (1951), em um movimento que rompeu definitivamente com o convencionalismo estético que imperava no Brasil da época. Ao lado de Luiz Sacilotto, Anatol Wladislaw, Waldemar Cordeiro, Leopold Haar e Geraldo de Barros organizaram-se em um grupo conhecido posteriormente como Ruptura – conjunto de artistas criado em 1952 que marcou o início do movimento de arte concreta em São Paulo. A mostra, que reúne ao todo 33 obras raríssimas, sendo sete de Fejer e 26 de Charoux, acontece como uma forma de evidenciar a ampla importância que tiveram na história da arte.

Pintor e escultor, o húngaro Kazmer Fejer relacionou-se com jovens artistas da vanguarda francesa e, mais tarde, com a cena artística de Montevidéu, no Uruguai. Quando estabeleceu residência fixa no Brasil, passou por uma transformação estética que o encaminhou para uma pintura não figurativa, abstracionista e mais geometrizada. Mais adiante, teve o suporte substituído pela escultura em um novo pensamento sobre arte, desta vez, mais aliado à ciência. Com sete objetos cinéticos, que revelam um olhar muito à frente de seu tempo, Fejer tem seu legado apresentado por meio de sua produção da década de 1970 – quando se apropriou de um material inusitado, plexiglass, que protagoniza suas peças na mostra.

Lothar Charoux transferiu-se de Viena para o Brasil aos 16 anos e, mais tarde, iniciou na técnica de pintura pelo Liceu de Artes e Ofícios, tendo como mentor Waldemar da Costa. À princípio, ganhou espaço no expressionismo, até alcançar o abstracionismo para depois iniciar a fase de geometrização, que teve como ápice uma simplificação formal e colorística – característica que prevaleceu até o fim de sua vida e produção artística. Disciplinado e exigente com a técnica, Charoux não abria mão de exercícios e estudos preliminares antes de executar uma obra.

Serviço

Local: Galeria Berenice Arvani – Rua Oscar Freire, 540, L. 5 – Cerqueira César – São Paulo.

Visitação: Até 27/11. Segunda a sexta, 10h às 19h.

Compartilhe!