O Sesc Pompeia apresenta, a partir de 26 de setembro, a exposição “Entrevendo”, de Cildo Meireles. Com curadoria de Júlia Rebouças e Diego Matos, a antologia reúne cerca de 150 obras dos anos 1960 até os dias atuais. Trata-se do maior acervo de Meireles já exposto na América Latina, preenchendo uma lacuna de quase duas décadas sem uma grande mostra nacional do artista, um dos nomes mais importantes da arte brasileira.

Para desenvolver Entrevendo, a dupla de curadores teve dois pontos de partida, começando pela ideia polissêmica de “sentido” – sensação, compreensão, sinestesia, escala, direção e propósito, presentes na produção de Meireles. “A visão, que é o sentido mais associado às artes plásticas, é descontruída e desafiada em muitos dos seus trabalhos, que nos propõem perceber o mundo de outras formas e desconfiar daquilo que parece verdade”, afirma Rebouças. A segunda premissa foi o próprio local da exposição. Para a curadora, levar essa mostra para uma instituição não-museológica, com múltiplos usos e públicos, é um gesto contundente e necessário.

Foto: Obra “Zero Real”, de Cildo Meireles.

Serviço

Local: Sesc Pompeia – Rua Clélia, 93 – Água Branca – São Paulo.

Período expositivo: 26/9 a 2/2/2020. Terça a sábado, 10h às 21h30. Domingo e feriado, 10h às 19h30.

Ingressos: Grátis.

Compartilhe!