O Farol Santander inaugura, dia 27 de agosto, a exposição “Contemporâneo, sempre – Coleção Santander Brasil”. A mostra tem curadoria de Agnaldo Farias e Ricardo Ribenboim. Trata-se de um panorama de 70 anos da arte brasileira, reunindo um conjunto significativo de pinturas, esculturas, desenhos, gravuras e fotografias. Das mais de duas mil obras do acervo, foram escolhidos 64 trabalhos, divididos nas categorias Abstração, Retrato e Paisagem.

Uma obra que nunca foi exposta, do artista Bené Fonteles, na categoria Abstração, é uma das atrações esperadas. O trabalho, sem título, foi criado em 1980. Já a obra mais antiga é a escultura de Victor Brecheret, Tocadora de Guitarra (1923). E a mais recente, uma pintura do artista Paulo Almeida, parte da série “Palimpsestos”. O processo criativo da obra envolve modifica-la a cada nova exposição. O artista trabalhará no local e concluirá as alterações dias antes da abertura ao público.

Dentro das divisões estabelecidas pela curadoria, destacam-se artistas e suas respectivas obras: Abstração: Alfredo Volpi, Sem Título (1960); Tomie Ohtake, Sem Título (1978); Manabu Mabe, Voz da Selva (1969) Retrato: Di Cavalcanti, Mulata na Cadeira (1970); Milton Dacosta, Figura (1948); John Graz, Canoeiros (1975); Paisagem: Darel Valença, Sem título (1968); Candido Portinari, Cavalo, Casebre e Paisagem, (1959); Claudia Andujar, Conselho de homens Xicrin-Kayapo, Estado do Pará, Amazônia, 1966.

Foto: Walter Firmo.

Serviço

Local: Farol Santander – Rua João Brícola, 24 – Centro – São Paulo.

Temporada: 27/8 a 5/1/2020. Terça a domingo, 9h às 20h.

Ingressos: R$ 25,00 (inteira) e R$ 12,50 (meia-entrada).

Compartilhe!