O Portal da Arte Brasileira

Espetáculo “Eu, Moby Dick – Na Rede” faz temporada on-line a partir de 19 de março

0 40

Contemplado no edital de Retomada Cultural, do Edital de Chamada Emergencial Aldir Blanc da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado do Rio de Janeiro, o espetáculo “Eu, Moby Dick” se prepara para uma nova viagem. Sob direção de Renato Rocha, a montagem criada a partir da dramaturgia de Pedro Kosovski sobre a obra-prima de Herman Melville fica em cartaz gratuitamente de 19 de março a 04 de abril no canal de YouTube do Centro de Artes da UFF.

Depois da temporada de sucesso no Rio, em meados de 2019, o espetáculo obteve 16 indicações em diversas categorias nas mais importantes premiações do país (Prêmios Cesgranrio, Shell, Botequim Cultural e CENYM), conquistando o prêmio de Melhor Cenário no Cesgranrio e Melhor Programação Visual e cartaz no CENYM. Após duas temporadas de sucesso no Rio de Janeiro uma curta temporada lotada na Caixa Cultural de Curitiba, a turnê nacional, que foi interrompida pela pandemia de Covid-19, volta em nova versão: digital.

A montagem/instalação concebida e dirigida por Renato Rocha é um espetáculo de extrema poesia visual que leva o público a uma experiência imersiva, multimídia e sensorial. Uma leitura performativa a partir de Moby Dick, um manifesto físico e poético, denso e provocativo. Um ato artístico/político, um espaço/encontro/experiência com a plateia, que transforma o palco numa plataforma multidisciplinar, inspirada no imaginário provocado pela obra de Herman Melville, convidando o público a um mergulho profundo nas metáforas contidas nessa obra prima da literatura universal.

Post Patrocinado

Esta nova versão, chamada “Eu, Moby Dick :: na rede”, trata a obra como um vídeo-arte, uma experiência digital imagética-sonora-sensória, que se aproveita dos recursos cinematográficos e multimídias para conduzir os espectadores nas profundezas da psique humana retratados na obra de Melville pelo viés da tecnologia, nas impactantes imagens criadas pelos irmãos Rico e Renato Villarouca e criação polifônica de Daniel Castanheira e Felipe Habib.

“A estratégia dramatúrgica para a recriação do texto de Melville propõe o ato de leitura como ato performativo. Nesse sentido, o protagonismo é do ‘leitor’, ou melhor, no teatro-arte-coletiva, dos ‘leitores’, como modo de criar alguma mediação possível entre as palavras de Melville e aquilo que necessitamos dizer com urgência para os nossos tempos”, defende o autor Pedro Kosovski.

Falas como “Um barco desgovernado, comandado por um louco, rumo à destruição de sua própria tripulação. Quem aqui se identifica?” e “Seria Moby Dick essa espécie de vírus, que contamina toda sua tripulação como uma epidemia?” ganham novo sentido e amplificam a atualidade do texto de Kosovski, já tão destacado em sua temporada de estreia em 2019. Em resposta à este pensamento, o crítico Patrick Pessoa, do jornal O Globo, escreveu: “O princípio da dramaturgia de ‘Eu, Moby Dick’ é impecável.” E exatamente por  ser um texto muito próximo da atualidade e que foi adaptado para o formato online, aos tripulantes que assistirão “Eu, Moby Dick :: na rede” será entregue um PDF com a dramaturgia do espetáculo na íntegra.

No elenco, Gabriel Salabert, Kelzy Ecard, Márcio Vito e Noemia Oliveira se lançam no desafio de viverem ao mesmo tempo o Capitão Ahab, Ismael, Moby Dick e o próprio navio Pequod, levando a questionamentos sobre os caminhos escolhidos e confrontados. Para esta versão online, foram pensados videografismos que nos fazem viajar pelos subconscientes das personagens, suas reflexões, medos, anseios e ambições.

Embarcar no navio Pequod é embarcar numa batalha entre a razão humana e o instinto animal, e confrontar-se com Moby Dick acaba sendo confrontar-se com os fantasmas que nós mesmos criamos, confrontar a si mesmo com a simples possibilidade de estar vivo ou ter que se deparar com a própria morte.

“O espetáculo navega nas mesmas metáforas que Melville traz em seu livro, e convida os espectadores para uma experiência artística não-linear, uma obra de dramaturgia aberta, onde o espectador não é refém de um entendimento intelectual, num processo criativo que se apropria das metáforas extraídas do romance para falar sobre temas relevantes da contemporaneidade e traçar um olhar profundo sobre o sujeito contemporâneo”, finaliza o diretor Renato Rocha.

Foto: Caio Gallucci.

Ficha Técnica

Direção: Renato Rocha. Dramaturgia: Pedro Kosovski, a partir da obra-prima de Herman Melville. Elenco: Gabriel Salabert, Kelzy Ecard, Márcio Vito e Noemia Oliveira. Figurinos: Tarsila Takahashi. Videografismo: Rico e Renato Vilarouca. Direção Musical: Felipe Habib e Daniel Castanheira. Assessoria de Imprensa: Marrom Glacê Assessoria. Programação Visual: Raquel Alvarenga. Coordenação de Projeto: MS Arte e Cultura. Produção: Aline Mohamad e Gabriel Salabert. Administração Financeira: Estufa de Ideias. Idealização e Realização: Aline Mohamad, Gabriel Salabert e Renato Rocha.

Serviço

Transmissão On-line.

Temporada: 19 a 21/3. Sexta-feira a domingo, 20h. 26 a 28/3. Sexta-feira a domingo, 18h. 2 a 4/4. Sexta-feira a domingo, 20h 

Ingressos: Grátis.

Classificação: 14 anos.

YouTube: Centro de Artes da UFF.

você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

X