[Entrevista] Vânia Bastos lança o show “Tons de Minas” e celebra repertório com canções de músicos mineiros

[Entrevista] Vânia Bastos lança o show “Tons de Minas” e celebra repertório com canções de músicos mineiros

Em conversa exclusiva, a cantora conta como é revisitar o repertório musical mineiro e enaltece o talento do duo de pianistas, Tulio Mourão e Rafa Castro, que tocam no show.

Com uma carreira repleta de projetos especiais, desde seu estouro para o grande público com Arrigo Barnabé em ‘Clara Crocodilo’, nos anos 80, Vânia Bastos é uma interprete que tem identidade e doçura em seu canto e está encantada com seu novo projeto. Conheça como surgiu a ideia de “Tons de Minas” e o que esperar do show no Sesc Santo André.

 

O Beijo: Como surgiu a ideia do show “Tons de Minas”? Ele é uma continuação ou ampliação do repertório apresentado no seu disco “Clube da Esquina”?

Vânia Bastos: A ideia desse show na verdade veio a partir do Francarlo, um empresário, produtor e diretor que trabalha comigo há bastante tempo. Ele produziu um show com o Tulio Mourão e o Rafa Castro, que são os pianistas que vão se apresentar comigo. Eles têm um duo e eles fizeram um show chamado “Teias” com composição dos dois, instrumental. Ai, o Fran viu isso e se lembrou imediatamente do disco que eu fiz, “Vânia Bastos Canta Clube da Esquina (2003)” e ele achou que o meu som tinha a ver com esse som delicado, melódico e que com dois pianos dá para fazer sons maravilhosos. Então, ele teve a ideia de unir nós três e ele bolou o nome também. E está sendo muito legal! Eu estou adorando.

O Beijo: E como é ter dois pianos no show? E sua relação com a música produzida em Minas?

Vânia Bastos: Esse show é apenas com dois músicos, dois pianos e é um pouco diferente dentro da história dos shows da Música Popular Brasileira. É raríssimo ver um show assim. Tem esse diferencial e é uma coisa interessante porque são dois representantes de gerações diferentes de músicos de Minas Gerais. O rafa castro é novo, tem trinta anos e lançou seu primeiro disco a pouco tempo. E ele é um compositor e um pianista muitíssimo bom e respeitado por todo mundo que já o conhece. E o Túlio Mourão já é da velha guarda, digamos assim, da música de Minas e tocou vários anos com Milton Nascimento, com Maria Bethânia, com Gil, Caetano e tem uma vasta história dentro da música brasileira. E está sendo uma honra fazer o show com eles dois. Essa história de Minas tem uma verdade pra mim. Além do disco que eu fiz em 2003,  quando surgiu o original, o primeiro Clube da Esquina, em 1972, meu irmão era o comprador de discos oficial lá de casa, comprou esse disco e eu quase “morri” de tanto ouvir. Achei o som maravilhoso, a poesia maravilha, tudo muito diferente. E com aqueles arranjos lindos do Wagner Tiso. Tudo aquilo foi muito impressionante. Então, a música de Minas realmente é um grande e fortíssimo pilar dentro da música brasileira.

O Beijo: Em uma carreira com tantos momentos marcantes como as parcerias com Arrigo Barnabé, as canções do Clube da Esquina, repertório de Caetano, como você vê o cenário musical atual?

Vânia Bastos: Eu acho que o “Tons de Minas” resgata esse pilar da música brasileira e da musicalidade do brasileiro, a musicalidade que existe por essas bandas de cá e que sempre emocionam. Eu acho que a música de Minas é uma música sem idade. A gente ouve com um frescor ainda, tudo isso, que vem acontecendo lá. Então, eu acho que pra quem ouve é uma delícia, pra plateia, pra quem está lá cantando. Eu me sinto realmente privilegiada de poder cantar, depois de ter feito vários sons e poder cantar acompanhada pelos dois maravilhosos pianistas e cantar essas músicas, que são sempre um desafio melódico, um desafio poético. Tem toda a grandiosidade da Música com M maiúsculo. Eu acho uma delícia. Então, dentro da história da música brasileira, a gente tem que apresentar de uma maneira melhor possível o que a gente sabe, o que a gente aprendeu, o que a gente sentiu, durante esse tempo todo que a gente vive aqui. Enquanto isso, paralelamente, a música está acontecendo por ai, com várias vertentes, vários “ramais”. A mídia dando apoio total para certas coisas e para outras nenhum apoio. Eu já tive uma fase de ficar revoltada com essas coisas, mas agora eu não fico mais não. Acho que a gente tem que fazer o que sabe fazer e lutar para poder fazer sempre o melhor possível. Porque “dar murro em ponta de faca”, não adianta.

O Beijo: E o repertório do show?  O que o público pode esperar?

Vânia Bastos: No repertório estão músicas mais conhecidas do Clube da Esquina, do Milton Nascimento, Lô Borges, Beto Guedes. Entre elas, “Da janela lateral” “Girassol da Cor do seu cabelo”, “San Vicente”, “Cais”, “Tudo que você podia ser”, músicas lindas, lindas. E músicas do pessoal da nova geração de Minas, como “Resposta” de Samuel Rosa e “Românticos” do Vander Lee. E também uma música do Rafa Castro, “Fronteira”. Uma música linda. Ela é emocionante desde a primeira audição. Você vê que o Rafa Castro é um filho desse som que foi feito em Clube da Esquina. A ideia é continuar com o show porque ele é extremamente possível. Ele tem uma luz especial, é todo especial. E super possível de fazer grandes viagens com ele.

Tons de Minas

Com Vânia Bastos, Túlio Mourão e Rafa Castro.

Serviço

Local: Sesc Santo André – Rua Tamarutaca, 302 – Vila Guiomar – Santo André.

Data: 11 e 12/1. Sexta, 21h. Sábado, 20h.

Ingressos: R$20,00 (inteira). R$10,00 (meia-entrada).

Informações: (11) 4469-1200.

 

Sem comentários

Insira um Comentário