[Dança] Artistas apresentam criações do programa “Modos de se Mover 2” no Centro de São Paulo, gratuitamente, nos dias 15 e 16 de março

[Dança] Artistas apresentam criações do programa “Modos de se Mover 2” no Centro de São Paulo, gratuitamente, nos dias 15 e 16 de março

Nos dias 15 e 16 de março, sexta e sábado, o Centro de Referência da Dança  apresenta “Modos de se Mover 2”, programa especialmente voltado para a produção interna do Centro e exibição das criações de seus residentes.  ‘Modos de se Mover’ expõe as singularidades do trabalho de cinco artistas em diferentes momentos de trajetória e experiências na dança;

Na sexta, a partir das 19h, Rafael Lemos compartilha o processo de criação de “Sai Andando!”. Motivado pelo treinamento em Bharatanatyam (estilo de dança clássica indiana),  o trabalho combina improvisação e células coreográficas pré-estabelecidas onde, entre um elemento e outro,  há o andar, o peregrinar, o mover-se que se estabelece em convergência com o espaço.

Na sequência, Alice Vasconcelos dança o solo “Sonhei Penhascos”, inspirado pela obra poética “Do Desejo”, de Hilda Hilst. Ao investigar o desejo como força motriz, a intérprete-criadora se propõe a transitar entre estados corporais diversos à procura de um fluxo incessante de prazer e movimento.

No sábado, as apresentações têm inicio às 18h, com “Yabacia”, performance coreográfica de Beatriz Aranha Coelho, que faz uso do utensílio doméstico bacia para estabelecer uma correspondência entre o útero, o ventre, o quadril e outras alusões a arquétipos do feminino e funções como quituteira, doméstica, lavadeira, que revelam a histórica reificação do corpo que está dado a serviço, dominado pelo desejo masculino e à reprodução sexual.

“tuwi’xawa dea Las Curanderas”, pesquisa de Adélia Wellington baseada nesta expressão originária do tupi, que representa a divindade e a sabedoria indígenas, é o segundo trabalho da noite.  Quase um ritual, “tuwi’xawa dea Las Curanderas” propõe um corpo-oração  que se abre em vibração para receber da Mãe Terra a luz infinita perpetuada, em plenitude de contentamento e contemplação, na pureza do silêncio.

Vanessa Moraes encerra o programa com a criação, também em processo, de “Cabaça”, que parte de estudos sobre a construção histórica e filosófica acerca da profanação do corpo feminino, buscando a relação que faz com que magia, desobediência e descolonialidade sejam troncos da mesma raiz. S

Serviço:

Modos de se mover.

Data:

15/3. Sexta, 19h.

“Sai Andando!”, de Rafael Lemos. Classificação: Livre.

“Sonhei Penhascos”, de Alice Vasconcelos. Classificação: 18 anos.

16/3. Sábado, 18h.

“Yabacia”, de Beatriz Aranha Coelho. Classificação: 14 anos.

“tuwi’xawa dea Las Curanderas”, de Adélia Wellington. Classificação: 14 anos .

“Cabaça”, de Vanessa Moraes. Classificação: 14 anos .

Local: Centro de Referência da Dança – CRDSP. Baixos do Viaduto do Chá, s/n – Centro (ao lado do Theatro Municipal).

Ingressos: Grátis.

Informações: (11) 3214-3249.

Sem comentários

Insira um Comentário