Projeto “Quebrada Viva” leva intervenções de artistas mulheres para a periferia no Dia da Mulher

No dia da mulher ações muito legais vão acontecer por toda São Paulo para o dia 8 de Março e o “Quebrada Viva” é uma delas. O projeto “Quebrada Viva” é uma intervenção de artistas e poetas independentes que, através de projeções a laser itinerantes, querem estimular o empoderamento, o amor, o afeto e o autocuidado entre as mulheres periféricas que irão assistir as intervenções das suas casas.

Esse dia irá contar com as artistas Preta Ferreira, Rosa Luz, Thata Alves, Shirley Casa Verde, Nega Cléo e Cris Rangel. Idealizado por Michelle Serra e Diogo Terra, “O Quebrada Viva” surge da vontade de expandir e descentralizar a Cultura na cidade de São Paulo. Num momento em que a Cultura está passando por um desmonte, e que sempre vemos grandes artistas se apresentando no centro, enquanto nas quebradas a arte e a cultura não chegam; Michelle Serra decidiu colocar o quebrada Viva na rua em parceria com diversos artistas que atuam na periferia.

Editora Lazuli - #euleiolazuli

Além da homenagem a luta das mulheres, com as intervenções artísticas, o evento promove o respeito às vítimas do COVID19, assim como de todos os profissionais que estão na linha de frente no combate a pandemia, em especial os de saúde. Com o intuito de evitar aglomerações, a programação foi construída a partir de variadas intervenções pela cidade que desestimulam aglomerações.

Serviço

Local: Rua Vinte e Três de Setembro, 128 – Vila Santista / Rua Jamblico,130 – Casa Verde Alta/ Rua Dom José Torres de Moraes, 257 – Vila Espanhola / Av. João dos Santos Abreu, 605 – Vila do Sapo, São Paulo – SP. Data: 8/3/21. Segunda, 19h às 23h.

2021São Paulo
Comentários (0)
Comentar