Saiba quem fez e para quê serve as estantes nas estações do metrô

A Via Quatro distribuiu estantes com livros nas estações do metrô da linha amarela, com projeto Leitura na Via 4.

A ideia é muito simples: mais de 11 mil exemplares foram disponibilizados no móveis.  Quem passa pode pegar, ler e, depois, devolver quando finalizar a leitura.

A ação é resultado de uma parceria da empresa com o Instituto Tomie Ohtake. As estantes foram desenvolvidas a partir de um curso de marcenaria para crianças e jovens.

A disciplina teve duração de cinco meses. As aulas ocorriam duas vezes por semana. O grupo era formado por dez alunos de 14 a 18 anos, vindos de três instituições diferentes, entre os quais cinco são ouvintes em situação de vulnerabilidade social e cinco são surdos. Como os alunos surdos têm Libras como sua primeira língua, as aulas contam com um intérprete.

 

(Créditos: Reprodução / Facebook)

 

Fernanda Tosta é quem ministra o curso. Sobre o processo de produção, nos conta que: "primeiro, os jovens tiveram um mês de aula expositiva, teorizando sobre expressão artística e alguns conceitos que envolvem a marcenaria. Depois partimos para a criação, através de maquetes. Por fim, artistas convidados os auxiliaram a fazer da peça não apenas uma estante, mas também uma intervenção artística."

A primeira artista convidada foi Lina, que ensinou aos jovens como utilizar LED interativo. Você pode ver o resultado final deste trabalho nas estações Pinheiros e Butantã.

Depois, com o Clube do Bordado, os alunos confeccionaram um tricô coletivo, com sexualidade e gênero como tema. Estas estantes estão nas estações Fradique Coutinho e Paulista.

Por fim, o artista Bruno Perê trabalhou stencil, mostrando diferentes formas de utilizar cor como expressão. Esse trabalho está exposto nas estações Luz e República.

Ao todo, foram três meses para a confecção de 14 estantes, duas para cada estação.

 

(Créditos: Reprodução / Facebook)

 

Além do curso para jovens, Fernanda Tosta também realiza uma oficina de marcenaria para mulheres. "Diferente do caso do metrô, com as mulheres temos mais uma espécie de encontro. Elas produzem três objetos diferentes: uma caixa para ferramentas, um painel e um nicho para livros. Mas além disso, também tiramos várias dúvidas sobre a marcenaria, porque esse é um ofício muito ligado à uma cultura masculina. O conhecimento é passado de pai para filho, e não para a filha".

 

A próxima Oficina de Marcenaria para Mulheres acontece entre os dias 15 e 18 de junho. As incrições já estão esgotadas (Créditos: Divulgação)

 

Comentários
Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo