Professora é acusada de racismo depois de texto sobre cotas

Em 30 de maio de 2016, a professora de física Elika Takimoto escreveu o texto "Contando sobre cotas". Nesse, falava sobre a sua experiência com estudantes beneficiados pela política de cotas.

Em 2017, diante de um alerta do Facebook, resolveu repostar o conteúdo em sua página no Facebook. A reação, ao contrário do que pensava, foi negativa.

Estudantes e ativistas do movimento negro protestaram contra a postura da docente que classificaram de preconceituosa.

Há quatro anos, tivemos no CEFET/RJ nossos primeiros alunos cotistas. Para entrar lá, os jovens fazem uma prova de seleção. Naquele ano, 50% das vagas foram destinadas para alunos negros, de escolas públicas e com renda baixa.
Lembro-me que levei um susto ao entrar em sala. Havia negros e alunos extremamente diferentes na forma de se expressar. Eu simplesmente não sabia como lidar. Pensei em escrever uma carta para Dilma reclamando. Se esse governo quer colocar cotistas em sala, que ao menos nos dê uma certa infra-estrutura para recebê-los! Psicólogos, pedagogos, assistentes sociais… cadê esse time para nos ajudar? Nada? Como assim?.

Leia a carta na íntegra em: https://elikatakimoto.com/2016/04/30/contando-sobre-as-cotas/

 

Isso, porque Érica teria uma postura salvacionista, como se estudantes negros não tivessem interesse em estudar e precisassem de um empurrão nesse sentido.

A ideia de que alunos negros são uma massa homogênea também foi outra crítica feita ao texto da professora. 

Diante das críticas massivas, Érica deixou o Facebook e publicou ontem (3/04) uma resposta em seu blog. Nela, diz que entende as críticas, as respeita e pretende saná-las, porém não acredita em posturas agressivas.

O debate têm movimentado as redes sociais, já que grupos acreditam que a professora se esquivou da questão ao se colocar como vítima e não, como agressora.

Pessoas em apoio à docente, acreditam em algo diferente. Acham que o aprendizado sobre questões raciais não passam por críticas duras e massivas. 

Comentários
Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo