O que Steve Jobs aprendeu com a Bauhaus?

(Créditos: Divulgação)

 

Em 1983, Steve Jobs disse à multidão reunida em Aspen, Colorado, para a Conferência Internacional de design que "Se você já olhou para computadores, eles se parecem com lixo". Neste ano a Apple vendeu três milhões de computadores, e em 1986 eles venderiam 10 milhões.

+ Confira as finalistas do Women's Music Event Awards by VEVO

Em 86, então Jobs disse que "Este novo objeto será no ambiente de trabalho de todos e será no ambiente educacional de todos. Será no ambiente doméstico de todos, e temos a chance de colocar um grande objeto lá ".

 


Cerca de oito décadas antes, na Alemanha, os artistas, designers e artesãos associados à escola Bauhaus abordaram um problema similar. Eles observaram o aumento da fabricação no início dos anos 1900 e decidiram que os bens domésticos produzidos em massa resultantes eram sem arte e sem alma. Então, eles intervieram, criando móveis, eletrodomésticos, até mesmo têxteis que eram elegantes e eminentemente funcionais - e isso também poderia ser fabricado em massa.

+ São Paulo ganha cinco novos painéis de edifícios em Outubro

Para a Bauhaus, menos é mais, como já diria o arquiteto Bauhaus Ludwig Mies van der Rohe. Este princípio se estendeu além da simplicidade da forma - aquelas formas limpas, geométricas e superfícies elegantes que seus produtos se tornariam conhecidos para - abranger a função. Cada item deve ser imaculadamente projetado para facilitar o uso do consumidor.

 

 

Após uma visita ao Instituto Aspen nos anos 80, Jobs resolveu simplificar o design de seus produtos. Chegou a declarar sobre enfatizar a diferença entre os computadores da Apple e as outras marcas, "Vamos torná-los brilhantes, puros e honestos sobre ser de alta tecnologia, ao invés de um pesado visual industrial de preto, preto e preto como a Sony".

A Bauhaus acreditava que todos os campos criativos, sejam eles arquitetura ou design gráfico ou pintura, deveriam se juntar em uma obra de arte total. Tanto foi que hoje dez produtos da Apple, incluindo o iMac e o iPod da primeira geração agora fazem parte da coleção de design permanente do MoMA (Museu de Arte Moderna de Nova York).

Comentários
Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo