"Não deixar que alguém busque sua identidade é opressão"

(Créditos: Reprodução)

 

Através de sua página no Facebook, o Netflix respondeu um comentário transfóbico feito por um usuário em uma postagem de divulgação do documentário Laerte-se. O usuário comentou no trailer de divulgação sobre o documentário da cartunista Laerte Coutinho, que uma pessoa deve se declarar como homem ou mulher. Além disso,  disse que vivemos em uma triste sociedade, e que opinião não se discute.

+ Netflix divulga os títulos que entram no catálogo em maio

 

O Netflix respondeu o usuário dizendo que, "Não deixar que alguém busque sua própria identidade não é opinião, é opressão". O serviço de streaming é responsável por produções que representem a população transsexual, como Orange is the new black Sense 8.

 

Reprodução

 

+ Você sabe quais são as séries mais famosas da Netflix?

O documentário Larte-se entra na programação do serviço de streaming no dia dezenove, e tem direção de Eliane Brum e Lygia Barbosa da Silva. É o primeiro documentário brasileiro do Netflix.

Comentários
Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo