Museu de Lisboa recebe coleção da Fundação Edson Queiroz

(Créditos: Divulgação)

 

O Museu Coleção Berardo, de Lisboa, recebe a partir do dia 27 de outubro, a exposição Modernismo Brasileiro na Coleção da Fundação Edson Queiroz. São 76 obras do acervo da instituição brasileira – uma seleção dos mais expressivos trabalhos criados por artistas brasileiros entre as décadas de 1920 e 1960. 

+ SP na Rua ocupa o centro da cidade com coletivos festivos

Com curadoria de Regina Teixeira de Barros, a exposição faz parte da itinerância iniciada em 2015, com passagens pela Pinacoteca de São Paulo; Casa Fiat, em Belo Horizonte; Fundação Iberê Camargo, em Porto Alegre; Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba; e, mais recentemente, na Casa França-Brasil, no Rio de Janeiro. 

A Fundação Edson Queiroz (FEQ) ao longo dos últimos 30 anos constituiu uma das mais sólidas coleções de arte brasileira. Entre os destaques das obras que serão exibidas em Portugal está Duas Amigas, de Lasar Segall.

 

(Créditos: Divulgação)

 

Além disso a exposição também traz um recorte do modernismo brasileiro, apresentando obras de Anita Malfatti, Antônio Gomide, Cícero Dias, Di Cavalcanti, Ismael Nery, Vicente do Rego Monteiro e Victor Brecheret.

Já a segunda geração modernista, que desponta na década de 1930, está representada por artistas como Alfredo Volpi, Cândido Portinari, Ernesto De Fiori e Flávio de Carvalho. Por fim, há um núcleo dedicado à abstração geométrica e outro dedicado a produção das décadas de 1950 e 1960, revelando uma diversidade de expressões artísticas, evidentes nas obras de Ivan Serpa, Tomie Ohtake e Iberê Camargo.

+ São Paulo ganha cinco novos painéis de edifícios em Outubro

"O recorte escolhido pela curadora possibilita também fazer as mais diversas associações entre a trajetória de nossos artistas e o contexto histórico e artístico internacional. Essas foram décadas marcadas por profundas mudanças políticas, econômicas, sociais e culturais em todo mundo", frisa o vice-reitor de extensão da Unifor, professor Randal Pompeu.

Em Lisboa, a exposição acontece até 4 de fevereiro de 2018.

Comentários
Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo