Lorenzo Mammì: “Fotografia não é só imagem que está na parede"

Imagem do projeto do prédio do IMS na 
Avenida Paulista (Créditos: Divulgação)

 

O crítico de arte Lorenzo Mammì tem um novo desafio em 2017. O italiano, que já é responsável pela curadoria e programação do Instituto Moreira Salles, terá também sob sua batuta a sede do IMS em São Paulo.

O prédio, orçado em 80 milhões e com previsão de inauguração para julho de 2017, está localizado no número 2424 da Avenida Paulista a poucos metros da rua da Consolação. Em entrevista coletiva concedida na segunda (5/12), a equipe do instituto destrinchou a estrutura do edifício.

Lorenzo Mammì (Créditos: Divulgação)

 

“Fotografia não é só imagem que está na parede, é também a que está na internet”, disse Mammì ao falar que a programação do instituto estará atenta aos diferentes meios de circulação da imagem fotográfica na contemporaneidade.

O crítico italiano também  elencou outras linhas mestras do IMS: o foco em fotografia “não-exclusivo, mas predominante”, a concepção de exposições a partir de pesquisas aprofundadas e a integração com o território.

Esse último ponto é importante também para entender o prédio do instituto.  “Nossa proposta estava centrada em equilibrar as necessidades do IMS com a vibração da Avenida Paulista”, explicou o arquiteto Marcelo Morettin, um dos responsáveis pelo projeto.

 

 Vista frontal do prédio (Créditos: Divulgação)

 

Ao todo, o edifício que conta com sete andares. No térreo, haverá um restaurante – comandado pelos chefs do tradicional Mocotó – e, a exemplo de galerias tradicionais da cidade, uma escada rolante levará os visitantes para uma espécie de praça, no quarto andar.  Lá será possível observar a Avenida Paulista sob novo ângulo.

 

Escada rolante que levará o visitante ao interior da sede do instituto  (Créditos: Divulgação)

 

Acima desse andar-mirante, haverá três andares expositivos que somam 1.200 metros quadrados, um terraço com área dedicada à experimentações fotográficas  e salas de aula. Abaixo, a biblioteca do instituto que pode comportar até 30 mil títulos, um teatro e um cinema-auditório. Detalhe, o cineasta pernambucano Kléber Mendonça (Som ao Redor – 2012, Aquarius – 2016) é o diretor responsável pela programação do cinema do instituto.

 

No andar-mirante, haverá uma livraria Travessa também

 

DIÁLOGO COM COLETIVOS DE FOTOGRAFIA

Perguntado sobre o diálogo com coletivos de fotografias de SP, parte da tão comentada ebulição cultural da cidade, o superintendente do IMS Flávio Pinheiro ressaltou a continuidade de ações com esses grupos, a exemplo do que acontece na Bolsa ZUM.

Thyago Nogueira, coordenador de fotografia contemporânea do instituto e editor da revista ZUM, reiterou a fala de Pinheiro e disse que o interesse em ações com coletivos se estende a todos campos da programação da nova sede.

Nogueira disse ainda que o instituto pretende realizar em 2017 um festival ZUM com programação que contemple também oficinas e palestras. Em 2018, há a expectativa de que seja realizado um festival relacionado à revista Serrote.

 

Comentários
Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo