Exposição em Fortaleza apresenta obras inéditas de Leonilson

Obra sem título, de 1971 (Créditos: Divulgação)

 

Acontece, de 15 de março a 9 de julho, no Espaço Cultural Unifor, em Fortaleza, a exposição Leonilson: arquivo e memória vivos.

Apresentada pela Fundação Edson Queiroz e organizada pelo Projeto Leonilson, a mostra conta com cerca de 120 obras - conceituadas e inéditas - de José Leonilson e traça uma retrospectiva da trajetória do artista.

A obra do artista cearense, falecido em 1993, em São Paulo, é predominantemente autobiográfica e está concentrada nos últimos dez anos de sua vida.

 

(Créditos: Ronaldo Miranda / Projeto Leonilson)

 

Leonilson nasceu em Fortaleza e mudou-se para a capital paulistana com 4 anos. Cursou educação artística na FAAP no final dos anos 70 e, em 1980 realizou sua primeira exposição individual em Madri. Tendo viajado pela Europa, conheceu, em Milão, importantes nomes ligados à transvanguarda italiana, de onde tirou inspiração.

O artista participou também das bienais de Paris, São Paulo e Istambul; participou também de exposições coletivas no Museu de Arte Moderna de Nova Iorque (MoMA) e mostras individuais na Pinacoteca de São Paulo, dentre outros museus.

Ele está no acervo dessas instituições e na Tate Modern de Londres, no Museu de Arte de Houston, no Centro Georges Pompidou de Paris, no Museu de Arte Moderna de São Paulo e do Rio de Janeiro, e na Fundação Edson Queiroz, onde acontece esta exposição.

Além disso, seu último trabalho, realizado na Capela do Morumbi, São Paulo, em 1993, tem sentido espiritual e alude à fragilidade da vida. Por este e outro trabalho indivual realizado no mesmo ano, José Leonilson Bezerra Dias recebeu, em 1994, homenagem póstuma e prêmio da Associação Paulista de Críticos de Artes (APCA).

 

Boa Viagem, de 1986 (Créditos: Divulgação)

 

Além do ineditismo de várias obras, acontece o lançamento do catálogo raisonné de Lenilson, fruto de 24 anos de pesquisa. A publicação apresenta, com mil páginas distribuídas em três livros, cerca de 3.500 registros cartográficos no que vem a ser o primeiro catálogo raisonné de um artista contemporâneo brasileiro.

Segundo Ricardo Resende, curador da mostra, "não poderia deixar de trazer de forma generosa para o público os trabalhos inéditos e as 'chaves' para o que se considera a composição dessa obra expressa por meio dos signos que representam as emoções humanas, dos fragmentos da condição humana e dos dilemas do homem comum, traduzidos em palavras e números".

 

O peão, de 1987 (Créditos: Divulgação)

 

Leonilson: arquivo e memória vivos

Visitação gratuita de 14 de março a 9 de julho de 2017
Horário de funcionamento: de terça a sexta, das 9h às 19h; sábados, das 10h às 18h; domingos, das 12h às 18h
Local: Espaço Cultural Unifor (Av. Washington Soares, 1321, Bairro Edson Queiroz - Fortaleza)
Mais informações: (85) 3477.3319 | espacocultural@unifor.br

Comentários
Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo