Doc sobre principal ladrão de obras raras do país estreia no Rio

Cena do documentário "Cartas para um ladrão de livros" (Créditos: Divulgação)

 

Considerado pelas autoridades brasileiras o principal ladrão de obras raras do país, o documentário sobre Laéssio Rodrigues de Oliveira, faz sua première mundial em 9 de outubro, no Festival do Rio 2017.

Cartas Para um Ladrão de Livros é o quarto longa-metragem dirigido pela dupla Caio Cavechini e Carlos Juliano Barros, e concorre na Mostra Competitiva de Documentários.

Laéssio é acusado de furtar bibliotecas em pelo menos cinco estados, à procura de obras de elevado valor histórico, artístico e econômico - de fotos da corte brasileira do século 19, passando pelos primeiros mapas do país feitos a mão, a gravuras assinadas por artistas europeus.

 

Cena do documentário "Cartas para um ladrão de livros" (Créditos: Divulgação)

 
Cartas para um ladrão de livros tem como ponto de partida as correspondências trocadas entre um dos diretores do filme e o próprio Laéssio, nos períodos em que ele estava preso. Ao todo, o acusado já passou mais de dez anos detido em penitenciárias de São Paulo e do Rio de Janeiro, onde se encontra atualmente recolhido. 

Não é uma história comum a do jovem balconista de uma padaria, obcecado por papéis antigos, que passa a frequentar as altas rodas de merchants e colecionadores de arte e, em seguida, as páginas dos cadernos policiais. Ao mesmo tempo, a decisão de contá-la envolve dilemas para os quais nem Laéssio nem o próprio documentário estavam preparados. 

Ainda que por caminhos tortos, Laéssio evidencia a necessidade de o Brasil cuidar de sua própria História.

 

Cena do documentário "Cartas para um ladrão de livros" (Créditos: Divulgação)

 

Durante o Festival do Rio 2017, o documentário Cartas para um ladrão de livros conta com as seguintes sessões:

Dia 9 de outubro às 19h no Cinepolis Lagoon 1, 2 e 3. Em 10 de outubro às 13h no Cine Odeon NET Claro. E, por fim, 11 de outubro às 19h no Kinoplex São Luiz 1.
 

Para maiores informações, acesse a programação do Festival.

 

 

 

Comentários
Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo