Bjork relembra caso de assédio envolvendo Lars Von Trier

(Créditos: Reprodução/Hypeness)

 

A cantora islandesa Björk usou sua fanpage no último domingo (15), para afirmar que já foi vítima de assédio sexual de um diretor dinamarquês, cujo nome não foi revelado.

Entretanto, Lars Von Trier é o único dinamarquês que dirigiu a artista - ela também estrelou em filmes dirigidos pelos diretores norte-americanos Robert Altman, Nietzchka Keene e a islandesa Kristín Jóhannesdóttir.

+ Documentário sobre escultora Maria Martins ganha trailer

Na publicação, a cantora disse que se sentiu "inspirada pelas mulheres que estão se expondo online", em referência as diversas acusações de assédio e estupro ao produtor Harvey Weinstein. Segundo ela, após incansáveis tentativas de investida do diretor, ele ficou irritado e projetou para a sua equipe que a cantora era difícil.

"Espero que esta declaração apoie as atrizes e atores. Há uma onda de mudanças no mundo." afirma Björk. 

+ Banda Hinds se apresenta pela primeira vez no Brasil

A cantora foi a protagonista do filme Dançando no Escuro (2000), que ganhou a Palma de Ouro em Cannes e deu a Björk o prêmio de melhor atriz. Durante as filmagens, a artista ameaçou várias vezes deixar a produção e afirmou que o diretor seria "louco".

Por sua vez, Lars Von Trier negou as acusações e disse que "aquele não era o caso", e elogiou a performance da atriz em seu filme. 

Confira a publicação de Björk:

 

Comentários
Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo