Banco de dados reúne produção musical feita só por mulheres

Na cena independente, a relação com a música eletrônica para quem discoteca costuma ser a de muitos: começar despretensiosamente, sem saber tocar, selecionando faixas de discos, produzindo samples, mixtapes, etc. Em São Paulo, o movimento alternativo de música eletrônica tem ganhado cada vez mais força, principalmente no que se refere a representatividade feminina nos line-ups. 

Uma parcela dessa mobilização de mulheres na cena eletrônica vem da força da Mamba Negra, clã de festas que recentemente celebrou 3 anos de fervo intenso e com eventos sold out. À frente da Mamba, as paulistanas Carol Schutzer (Cashu) e Laura Diaz (Angela Carneosso), que agora também anunciam o selo Mamba Rec, que já surge com lançamento de peso do projeto Teto Preto, que lançou um clipe extravagante e performático no ano passado.
 

(Créditos: Alexandre Furcolin Filho)


E é nesse meio que surge a plataforma colaborativa Minas na Música, uma espécie de banco de dados onde mulheres podem acessar, gratuitamente, e fazer a divulgação de seu trabalho, seja ele como produtora ou DJ. O projeto já conta com várias colaborações, entre elas Amanda Lima, Amanda Mussi e Cashu. Abaixo você confere algumas mixtapes e o clipe para Gasolina, novo single da Teto Preto.
 

 

Comentários
Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo