Artista retrata suas memórias por meio do abstrato

Neste trabalho, Sam Octigan examina a ideia de que a história sempre se repete. As maneiras pelas quais, subconscientemente, nos apegamos certos momentos de nossas vidas e como estas experiências sustentam a nossa maneira de ver as coisas, em conjunto com o nosso julgamento de valor, como a certeza, verdade, justiça, fé e amor. 
 

(Créditos: Divulgação/Sam Octigan)


A vida permanece cíclica. As portas são abertas e fechadas, os fios ligam-se e desligam-se, as memórias aparecem e desaparecem.
 

(Créditos: Divulgação/Sam Octigan)


Todos estes alicerces compõem o trabalho visual, através da linha, cor e constraste. Com detalhado traço realista, enquadrado ao absctracionismo dinâmico e uma ênfase na composição, as pinturas acabam tornando-se enigmas visuais, obrigando o espectador a decifrar todos os códigos, conectando os pontos da obra. 
 

(Créditos: Divulgação/Sam Octigan)

 

(Créditos: Divulgação/Sam Octigan)

 

(Créditos: Divulgação/Sam Octigan)

 

(Créditos: Divulgação/Sam Octigan)

 

(Créditos: Divulgação/Sam Octigan)

 

(Créditos: Divulgação/Sam Octigan)

 

Comentários
Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo