"Quarança" propõe uma reflexão sobre a violência contra a mulher

  •  (Crédito: Adriana Nogueira)
    (Crédito: Adriana Nogueira)
  •  (Crédito: Adriana Nogueira)
    (Crédito: Adriana Nogueira)
  •  (Crédito: Adriana Nogueira)
    (Crédito: Adriana Nogueira)
  •  (Crédito: Adriana Nogueira)
    (Crédito: Adriana Nogueira)

    "Quarança" vem da expressão "quarar a roupa", presente no vocabulário regional brasileiro. Assim como o ato de clarear uma peça através da exposição à luz do sol, a A Próxima Companhia traz a tona questões referentes à violência sofrida por mulheres, como estupro, feminicídio, pedofilia e controle do macho sobre a fêmea. Escrito, encenado e dirigido por Luciana Lyra, Quarança fica em cartaz no Espaço Cultural A Próxima Companhia, de 31 de março a 21 de maio, com ingressos a R$ 20.

    "A partir de nossas experiências pessoais, queremos ampliar o debate sobre a opressão contra as mulheres. E não pretendemos trazer uma versão da mulher somente como vítima, e sim, como ser histórico - sujeito e objeto destas situações -, trazendo à tona histórias de mulheres comuns, afinal, o universo pessoal também é político", comentou Juliana Oliveira, atriz que divide à cena com Paula Praia e Lívia Lisbôa. 

    Quarança é uma fábula que conta a história de uma cidade esturricada pelo Sol. Formada por caminhos estreitos, o lugar é ocupado por um exército de jagunços que passam a violentar e matar as mulheres do vilarejo. Nesse contexto de caos, surge a guerreira Rosa Ararim, que se posiciona contra o estado falocêntrico de opressão. 

    "Em pleno século XXI, basta abrir o jornal para vermos ainda hoje meninas de 10 anos (ou menos) sendo obrigadas a casar por acertos de suas famílias, desigualdade gritante de salários, estupros e culpabilização das vítimas, mortes por abortos clandestinos, a obrigatoriedade de abrir mão de sonhos para ser uma ‘esposa perfeita’ ou mãe muito jovem, violência física, moral e verbal. A sociedade em que vivemos ainda acha bastante indigesto ser comandada por uma mulher, seja no plano familiar, empresarial ou político", completou Paula Praia.

    • Espaço Cultural A Próxima Companhia - Rua Barão de Campinas, 529 - Campos Elíseos, São Paulo
      + Ver mapa
    • 31/03/2017 a 21/05/2017
    • Sextas e sábados: 21h. Domingos: 19h.
    • R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia).
    • Classificação: 14 anos.
    Comentários
    Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo