Peça é baseada na biografia da escritora Alice B. Toklas

  •  (Crédito: João Caldas)
    (Crédito: João Caldas)
  •  (Crédito: João Caldas)
    (Crédito: João Caldas)
  •  (Crédito: João Caldas)
    (Crédito: João Caldas)
  •  (Crédito: João Caldas)
    (Crédito: João Caldas)
  •  (Crédito: João Caldas)
    (Crédito: João Caldas)

    Nicole Cordery é a responsável por dar vida a Alice B. Toklas, autora de um famoso livro de receitas que teve sua "autobiografia" escrita por outra pessoa. Com direção de Malú Bazán, o solo é baseado no texto de Gertrude Stein que descreve sua relação com a escritora americana, mostrando a situação das mulheres na Paris dos anos 20. Alice, Retrato de Mulher que Cozinha ao Fundo fica em cartaz na Oficina Cultural Oswald de Andrade, de 12 de janeiro a 28 de fevereiro, com entrada gratuita

    A peça é baseada em dois livros sobre a vida de Toklas: The Alice B. Toklas Cookbook, escrito por ela mesma, já doente, na qual descreve receitas servidas em sua casa, e A autobiografia de Alice B. Toklas, em que Stein, ao assumir a voz da companheira, conquista sua popularidade literária.

    O trabalho discute as fronteiras entre realidade e ficção, entre histórias e interpretações. A obra buscou uma dramaturgia que abraçasse as pesquisas estéticas de Stein e as memórias de Alice, trazendo tanto a posição de quem olha com certo distanciamento, quanto a da pessoa documentada. 

    Aos sábados (14, 21 e 28/01) após o espetáculo, haverá um bate-papo com a atriz, a diretora e dramaturga da peça, Marina Corazza, além da jornalista convidada, Gabriela Longman, Mestre em Arte e Linguagem pela École des Hautes Études en Sciences Sociales de Paris e doutoranda em teoria literária pela USP.

    • Oficina Cultural Oswald de Andrade - Rua Três Rios , 363 - Bom Retiro, São Paulo
      (11) 3222-2662 / (11) 3221-4704
      + Ver mapa
    • 12/01/2017 a 28/02/2017
    • Quintas e sextas: 20h. Sábados: 18h.
    • Entrada gratuita.
    • Classificação etária: 14 anos.
    Comentários
    Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo