O Gabinete de Alice oferece ao público experimentações sensoriais

Assim como a personagem Alice, de Lewis Carrol, que ao atravessar o espelho tem sua percepção completamente alterada, a instalação imersiva O Gabinete de Alice, que estará na Caixa Cultural São Paulo, de 10 de dezembro a 19 de fevereiro de 2017, convida o público para um mergulho em possibilidades inéditas.

Propondo experimentações em artes visuais e mídias interativas, associadas a estudos sobre movimento e fisiologia do corpo o evento é gratuito. 

A experiência oferecida pela instalação é fruto da interdisciplinaridade entre artes visuais e as inúmeras possibilidades cinestésicas nascidas do estudo da dança sob o viés da educação somática e em especial da propriocepção, que é a capacidade de reconhecer a localização espacial e a movimentação de seu próprio corpo.
 


Dessa forma, o Gabinete de Alice, pretende fazer com que o público se desligue completamente do mundo exterior, “fora da cabine”, sendo estimulado por seus sentidos a entrar em contato com sua própria subjetividade, que por conta dos vícios perceptivos da modernidade muitas vezes passa despercebida.

O projeto envolveu cerca de dois anos para seu desenvolvimento, permeados por um pensamento crítico acerca das possibilidades de uso das tecnologias atuais, no sentido de conscientização de nossas capacidades sensoriais.

 

(Créditos: Divulgação)

 

Para isso reuniu artistas de diversas áreas, como Lucas Bambozzi, reconhecido por suas obras de cinema expandido e videoarte que dialogam com novas mídias; o terapeuta corporal Ale Duarte e Laura Campos.

O projeto também contou com a participação do artista visual Joãozito Pereira e do arranjador e instrumentista Pedro Augusto Dias, ambos da Bahia, onde o Gabinete foi gestado e apresentado originalmente.

  • Caixa Cultural São Paulo - Praça da Sé, 111 - Centro, São Paulo
    (11) 3321-4400
    + Ver mapa
  • 10/12/2016 a 19/02/2017
  • Terça-feira a domingo: sessões contínuas das 10h30 às 14h e das 15h às 19h.
  • Entrada gratuita.
  • Classificação etária: livre
Comentários
Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo