Mulher planeja enterro de luxo para compensar vida sofrida

Zulmira é uma mulher sofrida. Vive na periferia e enfrenta todo tipo de dificuldade. Em meio às adversidades, decide que uma boa solução é almejar a morte. Fica obcecada então pelo seu final. Planeja com esmero um enterro de luxo, na sua cabeça, sua redenção. 

 

"A Falecida", nova peça do grupo Gattu (Créditos: Divulgação)

Aos 8 anos, então, virei a fotógrafa oficial da família

Zulmira é a protagonista de A Falecida, texto de Nelson Rodrigues, que o Grupo Gattu leva aos palcos de 25 de abril a 25 de junho, no Teatro do Sol, em Santana. O espetáculo, com entrada gratuita, é dirigida por Eloísa Vitz, uma profunda conhecedora do universo rodrigueano.

Matty Smith mostra diversidade marinha em fotos fantásticas

A FALECIDA é uma obra ousada, emocionante e cheia de humor mordaz. Assombrada pela moral e fascinada por uma ideia fixa de morte purificadora, Zulmira percorre funerárias planejando seu próprio enterro com pompas e cerimônias. A fim de se igualar a castidade de sua prima, desafia sua família e contraria seu marido, um homem desempregado e igualmente fanático, mas por futebol.

"Quarança" propõe uma reflexão sobre a violência contra a mulher

Esta montagem foi contemplada com a “IV Edição do Prêmio Zé Renato de Teatro para a cidade de São Paulo”. O Grupo Gattu  sentiu-se honrado com este prêmio da Secretaria Municipal de Cultura que contempla trabalhos cujas pesquisas são referências para a cultura do país. “Seguimos com orgulho o trabalho de elevar a memória do nosso maior dramaturgo trazendo aos palcos sua obra repleta de humor cáustico, provocação e sensualidade” comemora Eloísa Vitz, que também é a mulher que mais dirigiu espetáculos de Nelson Rodrigues no Brasil. 

  • Teatro Décio de Almeida Prado - CEU Aricanduva - Rua Olga Fadel Abarca, s/nº - Jardim Santa Terezinha, São Paulo
    1127237549398 / 1127237557398
    + Ver mapa
  • 25/04/2017 a 25/06/2017
  • Terça a sábado: 21h, domingo: 19h (25 a 30 de abril). Sábado: 21h e domingo: 19h (1º de maio até 25 de junho).
  • Entrada gratuita.
Comentários
Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo