Mostra propõe democratização da arte

De 26 de abril a 26 de maio a exposição Intermédio, do artista catarinense Stanislaw Tchaick, fica exposta no Ipo Bar. 

Com a proposta de democratizar a arte, a escolha do bar para a exposição, com entrada gratuita e preços das obras acessíveis, desmistifica a atmosfera inacessível que as artes plásticas tem no imaginário do grande público.

Crédito:(DIvulgação)

“Estou buscando espaços expositivos que sejam mais próximos das pessoas, ambientes mais casuais, onde as obras possam ser apreciadas por públicos que não estão apenas em busca de compra e venda de arte, mas sim de sentir como ela pode funcionar na sua própria vida.

Por isso expor em bares tira a imagem de que as obras são inatingíveis, como o que se sente em algumas galerias”, explica Tchaick.

“Além disso, para artistas iniciantes não há espaço neste mercado. E a proposta é de que a arte seja acessível. Você pode ter uma obra interessante, pelo preço de uma tatuagem”.

Crédito:(DIvulgação/AWAKE)

Oferecendo uma linguagem expressionista e abstrata, fala de paisagens e sensações através de pinceladas, riscos, respingos e raspagens. São duas séries em tinta acrílica, giz, guaches e aquarelas sobre telas e papéis. 

Com formas intuitivas e cores ao mesmo tempo suaves e intensas, o artista deixa que o observador crie suas próprias intenções do que são ou sugerem as obras.

“Seriam tentativas de interpretar nossos sentimentos, ações, acúmulo de memórias e vivências, dores e alegrias?”, indaga Tchaick.

“Afinal, são registros visuais que separam e mesclam os tempos de sua produção, uma analogia a passagem do tempo e das marcas que deixamos nele, sendo o artista e a obra um meio para essa intenção”, pondera, explicando ainda o nome “Intermédio”, com o qual batizou a mostra.

Crédito:(DIvulgação/JUMP)

A obra de Stanislaw Tchaick propõe uma reflexão à paisagem. Através da pesquisa em pintura, os elementos surgem em um universo alternativo.

Na experimentação da cor, figura, fundo e forma, vibram em momentos caóticos e delicados, definindo múltiplos planos para a imagem.

“Neste momento, a compreensão do observador é exigida para que construa soluções para a abstração contemplada”, explica o artista.

“O interesse se aguça com a materialidade das tintas e nas pinceladas expressivas”, completa.

O recorte da obra sugere então esta janela para outra dimensão pensada por ele.

  • Ipo Bar - Rua Mota Pais, 32 - , São Paulo
    + Ver mapa
  • 26/04/2018 a 26/05/2018
  • Segunda a sábado: 19h às 1h.
  • Gratuito.
Comentários
Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo