Mariana Palma exibe trabalho inédito mergulhado em líquidos

(Créditos: Divulgação)

 

Pinturas, fotografias e aquelas inéditas são exibidas na mostra Soma, da artista Mariana Palma na Casa Triângulo. A exposição aprofunda temas e referências caros à artista sugerindo ao mesmo tempo novos desdobramentos, na individual que tem texto de Paulo Miyada.

+ Masp completa 70 anos em outubro e ganha programação especial

 A produção mais recente, segundo o crítico, intensifica a procura da artista por um espaço pictórico singular, traçado pela convivência simultânea de superfícies aquosas de texturas e imbricações de figuras e objetos incompletos. Isso decorre do próprio processo de pintura: Mariana inicia suas obras mergulhando a tela em água coberta por pigmentos, em um processo similar à marmorização de papel. Com isso, produz padrões intrincados de cores, linhas e pontos, sobre os quais pinta laboriosamente partes de tecidos estampados, elementos arquitetônicos e plantas. 

 

(Créditos: Divulgação)

 

“São imagens abundantes e com muitos focos compositivos, que podem ser lidas em partes ou como conjunto, acelerada ou detidamente”, descreve Miyada. Segundo a própria artista, os novos trabalhos a óleo e acrílico são mais abertos e integrados. “Comecei a ocupar mais o espaço da tela. Tudo invade, tudo se abre. A composição interage mais com o fundo”. 

+ Exposição mostra a influência de Duchamp na arte brasileira

A novidade é a série de fotografias com fundo branco, onde as composições floreais são mergulhadas no leite. “O leite é um fundo mais ativo que o papel. Traz incômodo, claustrofobia, uma cegueira do fundo, um fundo ruim”, reflete a artista.  

  • Casa Triângulo - Rua Estados Unidos, 1324 - Jardins, São Paulo
    (11) 3167-5621
    + Ver mapa
  • 25/09/2017 a 04/11/2017
  • Segunda a sábado: 10h às 19h.
  • Entrada Gratuita.
Comentários
Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo