Desnudando Aquisições Sociais

 

Obra de Francisco Hurtz (Créditos: Divulgação)

 

De 26 de setembro até 27 de outubro, a Verve Galeria inaugura a exposição Um Homem Bateu em Minha Porta, do artista plástico Francisco Hurtz. Através de 20 trabalhos - entre desenhos, fotografias e pinturas - a mostra aborda o erotismo  ao    apresentar corpos masculinos em confronto, fazendo uma dura afirmação política em face das convicções machistas presentes nas artes visuais e na sociedade em geral. 

Em sua primeira individual na Verve GaleriaFrancisco Hurtz propõe um novo olhar à representação do corpo masculino, normalmente retratado jovem, dominante, viril e potente – imagem corriqueira e massificada do universo gay. “Busco romper com uma tradição homoerótica de desejo e afeto projetados na criação estética, e dou lugar ao vazio, à dubiez, à indefinição e à perplexidade”, comenta.

 

Obra que faz parte da exposição "Um homem bateu em minha porta" (Créditos: Divulgação)

 

Além de uma mera afirmação do desejo homossexual, “Um Homem Bateu em Minha Porta” representa um embate contra as normas heterocentradas que regem grande parte do mercado de arte. Engajado com a Teoria Queer e com a estética pós-pornô, Francisco Hurtz  questiona o exercício do protagonismo no meio artístico, e explicita o silenciamento sistemático da Arte Queer nos museus e instituições do Brasil - país com os maiores índices de violência contra LGBT’s no mundo.

 

Obra do artista convidado da mostra na Verve Galeria (Créditos: Divulgação)

 

Nos dizeres do artista: “A celebração ao corpo e a pura escopofilia nas artes ficam de lado e dão lugar à incerteza através de um olhar subversivo. Corpos de homens em confronto: a tortura, a objetificação, a fragilização, o apagamento, fragmentação, a subordinação e a redução de imagens masculinas colocam o homem em um lugar de servidão e incômodo pouco comuns nas artes visuais”.   

 

  • Verve Galeria - Rua Lisboa, 285 - Jardim América, São Paulo
    (11) 2737-1249
    + Ver mapa
  • 25/09/2018 a 27/10/2018
  • Terças a Sextas das 10 às 19h. Sábados das 11 às 17h
  • Gratuito.
  • Não recomendado para menores de 18 anos

Tags:

Comentários
Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo