Curso no Itaú Cultural aborda racismo como drama coletivo

Tomando como ponto de partida a frase “Teoria é bom, mas não impede as coisas de existirem”, do médico francês Jean-Marie Charcot, grande influenciador de Freud, a escritora Ana Maria Gonçalves propõe uma reflexão sobre o racismo como reserva de patrimônio biológico e sintoma social.

Ana Maria Gonçalves é mineira, radicada na Bahia e ministra o curso Racismo e seus Afetos, no Itaú Cultural, de 3 a 7 de abril, das 19h às 22h. O curso é dividido em cinco módulos: Solidão, Medo, Desejo, Ódio e Amor. As incrições podem ser feitas até 24 de março

A escritora aborda o racismo como drama individual e drama coletivo, que norteia não apenas as relações brancos x negros, mas também brancos x brancos e negros x negros; como fator de segregação e de fraternidade, levando em conta suas consequências reais sobre emoções a sentimentos.

 

Ana Maria Gonçalves na primeira edição do curso (Créditos: Reprodução / Christina Rufatto)

 

As inscrições são realizadas pelo telefone (11) 2168 1876 e acontecem de 15 a 24 de março (de terça a sexta, das 9h às 20h). O e-mail atendimento@itaucultural.org.br será utilizado exclusivamente para a inscrição de candidatos  surdos.

Após a inscrição prévia, todos os pré-selecionados devem enviar uma carta de intenção para o e-mail atendimento@itaucultural.org.br.

O resultado será divulgado no dia 31 de março no site do Itaú Cultural. Caso haja selecionados que necessitem, o curso contará com interpretação em Libras.

  • Itaú Cultural - Avenida Paulista, 149 - Bela Vista, São Paulo
    (11) 2168-1777 / (11) 2168-1776
    + Ver mapa
  • 03/04/2017 a 07/04/2017
  • Segunda a sexta: 19h às 22h.
  • Entrada gratuita.
  • Incrições até 24 de março.
Comentários
Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo