Comédia, drama e dança fazem parte do Festival Motumbá em janeiro

O ano começa com agenda variada na mostra Motumbá - Memórias e Existências Negras, realizada desde novembro no Sesc Belenzinho. A programação de Teatro e Dança do festival em janeiro mescla o contemporâneo com o tradicional e convida o público para oficinas de dança ministradas pelos próprios bailarinos que se apresentarão no local.

 

(Créditos: Peter Hönnemann)


O cronograma teatral apresenta a premiada Namíbia, Não!, de 13 a 22 janeiro, primeira peça adulta dirigida por Lázaro Ramos, que já foi exibida em outros estados do Brasil e até em Portugal. A comédia-dramática foca no diálogo profundo entre dois amigos que se trancam dentro de um apartamento, enquanto lá fora os negros são capturados pelo governo brasileiro para serem enviados para a África, numa espécie de revés da diáspora vivida pelo povo africano do Brasil escravocrata.

O espetáculo Sangoma, 27 a 29 de janeiro, da Capulanas Cia de Arte Negra, narra a história de seis mulheres sangomas (curandeiras) que habitam uma casa sagrada com laços ancestrais. É um convite a um universo mítico cercado dehistórias de dor, superação, amores e possibilidades de cura.

Na programação de dança, duas apresentações de Jongo, tradicional dança africana precursora do samba, serão mostradas por grupos diferentes: Roda de Jongo, 15 de janeiro, com o Grupo Filhos da Semente, e Jongo, 29 de janeiro,com a Comunidade Jongo Dito Ribeiro. Ambos oferecerão aulas gratuitas no mesmo dia de suas apresentações.

A criatividade pulsante, moderna e urbana dos mais jovens não ficou de fora do calendário. Sobem aos palcos os bailarinos do espetáculo Suave, de 27 a 29 de janeiro, comandados pela coreógrafa Alice Ripoli. Eles prometem contagiar com a já famosa dança do passinho, misto de frevo, samba e hip hop que surgiu nas comunidades cariocas e já contagiou o público teen do Brasil inteiro. Além das apresentações, o grupo também ministrará oficinas abertas a todos.

A mostra Motumbá - Memórias e Existências Negras integra diversas linguagens artísticas e ações culturais para apresentar um panorama das poéticas, estéticas e temáticas produzidas e interpretadas por grupos e artistas negros ou periféricos. Com programação que se estende até março, reúne mensalmente apresentações de teatro, dança, música e literatura, entre outros gêneros artísticos. 

Para mais informações sobre preços e atividades gratuitas, acesse aqui.

  • Sesc Belenzinho - Rua Padre Adelino, 1.000 - Belenzinho, São Paulo
    (11) 2076-9700
    + Ver mapa
  • 01/11/2016 a 22/01/2017
  • Conferir o horário das atividades na programação.
  • Conferir os valores e gratuidade na programação.
  • Conferir a classificação etária na programação.
Comentários
Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo