Peça sobre ancestralidade oferece pratos típicos brasileiros

  •  (Crédito: Giulia Martins)
    (Crédito: Giulia Martins)
  •  (Crédito: Giulia Martins)
    (Crédito: Giulia Martins)
  •  (Crédito: Giulia Martins)
    (Crédito: Giulia Martins)
  •  (Crédito: João Caldas)
    (Crédito: João Caldas)
  •  (Crédito: João Caldas)
    (Crédito: João Caldas)
  •  (Crédito: João Caldas)
    (Crédito: João Caldas)

     

    Em comemoração aos 20 anos do Teatro de Incêncio, a comapahia reestreia o espetáculo O Santo Dialético, de Marcelo Marcus Fonseca. O trabalho trata da perda da ancestralidade, trazendo o autor e diretor ao palco para cozinhar pratos típicos brasileiros, como feijoada, acarajé e arroz carreteiro. A obra procura expor as memórias perdidas, através do entendimento da descaracterização do negro, do índio e do próprio europeu. A peça fica em cartaz de 15 e outubro a 4 de dezembro, no esquema pague quanto puder.  

    Seis histórias são paralelamente narradas na correria de uma metrópole, apresentando personagens bem diferentes que trazem diversidade à obra: um índio seminarista; uma moradora de rua voluntária numa missão humanitária após sofrer overdose; uma prostituta descendente de indígenas; um casal negro e evangélico composto por um marido atordoado pelo som do berimbau e uma esposa estéril; outro casal, caucasiano, formado por uma mulher em tratamento de saúde e um homem que não se reconhece no corpo masculino. 

    Depois do primeiro ato ambientado numa cidade, a plateia é guiada até o terceiro andar do teatro. Lá, se inicia a segunda parte do espetáculo, onde Marcelo serve os pratos que resgatam sabores africanos, portugueses e indígenas. A degustação custa de R$20 a R$40 e acompanha salada e sobremesa. De volta à sala de teatro para o ato final, o público é recepcionado por uma floresta.

     

    • Teatro do Incêndio - Rua Treze de Maio, 53 - Bixiga, São Paulo
      (11) 2609-8561 / (11) 2609-3730
      + Ver mapa
    • 15/10/2016 a 04/12/2016
    • Sábados: 20h. Domingos: 19h
    • Pague quanto puder.
    • Classificação: 14 anos.
    Comentários
    Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo