Amor e repulsa entre pai e filho protagonizam "Ponto Morto"

(Créditos: João Caldas)

 

Dirigida por Camilo Bevilacqua e Denise Weinberg,  Ponto Morto conta a história de um homem atormentado pelo fato de ter um filho limítrofe, ou seja, que será para sempre seu dependente. A peça mostra de maneira delicada como esse pai lida com o amor e a repulsa simultaneamente, discutindo temas como medo, discriminação e exclusão social. O espetáculo de Helio Sussekind fica em cartaz no Tucarena, de 11 de março a 2 de abril, com ingressos de R$ 35 a R$ 80.

O autismo é um dos protagonistas da obra que mostra apenas duas noites na vida daquelas pessoas. Como numa versão de João e Maria ao avesso, Ponto Morto traz a cena Humpty, um viúvo de 70 anos, que não quer deixar para o filho as pistas do caminho de sua vida. Se sentindo culpado ao mesmo tempo, o homem tenta lidar da melhor maneira com a instabilidade emocional de Dumpty.

 

(Créditos: João Caldas)

 

  • Tucarena - Rua Monte Alegre, 1024 - Perdizes, São Paulo
    + Ver mapa
  • 11/03/2017 a 02/04/2017
  • Sextas e sábados: 21h. Domingos: 18h.
  • Sextas: R$ 70 (inteira) e R$ 35 (meia). Sábados e domingos: R$ 80 (inteira) e R$ 40 (meia).
  • Classificação: 12 anos.
Comentários
Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo