Alair Gomes e Robert Mapplethorne em exposição sobre desejo

Sem título, 1983 (Créditos: Divulgação / Alair Gomes)

 

A exposição Alair Gomes e Robert Mapplethorpe que acontece na Fortes D’Aloia & Gabriel traz, a partir de 4 de agosto, uma aproximação inédita entre a obra do fotógrafo brasileiro e do norte-americano. 

O ponto de partida deste diálogo é o desejo – compartilhado por ambos os artistas em textos e entrevistas – de fazer presente em suas obras a experiência de transcendência do sexo.

 

Alistair Butler, 1985 (Créditos: Divulgação / Robert Mapplethorn)

 

A exposição explora essa relação através do olhar que busca no corpo a perfeição da escultura clássica, na noção de teatralidade presente em Mapplethorpe em oposição ao corpo natural de Gomes, e finalmente na praia como um lugar idealizado do prazer, retratada por ambos os artistas.

Embora as fotografias apresentadas partam de um período próximo, do final da década de 1970 ao início dos anos 1980, essa aproximação é também capaz de marcar algumas diferenças fundamentais entre a produção dos dois.

É curioso notar, por exemplo, que enquanto Mapplethorpe nomeia seus personagens, não apenas mostrando seus rostos, mas emprestando-lhes status de celebridade, Gomes opta pelo anonimato total.

 

Beach Tryptych, 1970 -1980 (Créditos: Divulgação / Alair Gomes)

 

 

 

 

(Créditos: Divulgação)

 

Também é exibido no espaço, a individual Não escondido, mas despercebido, de Iran do Espírito Santo, onde o artista apresenta uma série de desenhos inédita. São doze trabalhos com lápis e guache sobre fotogramas que representam objetos de uso cotidiano em formas concisas, como  cartão de crédito, tomada e lâmina de estilete.

Os elementos escolhidos pertencem todos a um ambiente doméstico, mas que podem ser lidos também como signos de segurança, fixação, controle.

  • Fortes D'Aloia & Gabriel - Rua James Holland, 71 - Barra Funda, São Paulo
    (11) 3392-3942
    + Ver mapa
  • 03/08/2017 a 16/09/2017
  • Terça a sexta: 10h às 19h. Sábado: 10h às 18h.
  • Entrada gratuita.

Tags:

Comentários
Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo