Soneto da amizade mútua

27 julho 2017

Soneto da amizade mútua

Pintemos, amor, a ode brutal
um futuro sistemático adormecido
onde a fúria do desejo é triunfal
e a penumbra é a glória do iludido.


Ora, cantemos como bichos no cio
transas fálicas são bacanais de versos
a plena purificação tardia é hostil
numa liberdade de segredos perversos.


As incertezas são desordens mútuas
explodindo arquitetura mal planejadas
sobrevivendo apenas devoções, de repente...


Amo-te, sem mais, como amigo, simplesmente!
Amo-te na mais perfeita primavera tua
e amarei a rosa desejada, aberta e nua.

 


Soneto da amizade mútua é parte de Cromossonhos, livro de Emerson Sarmento, publicado em 2016 pela editora Penalux.

Comentários
Escola Entrópica no Instituto Tomie Ohtake Museu de Arte Moderna de São Paulo